Voltar para o início


 

​Só com ‘urgência’ projetos salariais podem ser aprovados este ano, diz assessoria

Prazos e defesa de propostas sem rebaixamento ‘exigem’ pressão maior da categoria; relator apresenta parecer; reunião do STF no Planejamento ainda sem respostas   Findas as eleições municipais, a primeira semana após o chamado ‘recesso branco’ no Congresso Nacional, de 29 de outubro a 2 de novembro, será muito “importante” na luta dos servidores do […]

quarta-feira 31 outubro 2012 às 13:25

Prazos e defesa de propostas sem rebaixamento ‘exigem’ pressão maior da categoria;
relator apresenta parecer; reunião do STF no Planejamento ainda sem respostas  

Findas as eleições municipais, a primeira semana após o chamado ‘recesso branco’ no Congresso Nacional, de 29 de outubro a 2 de novembro, será muito “importante” na luta dos servidores do Judiciário Federal e do MPU para assegurar uma tramitação para os respectivos projetos salariais que permita a aprovação deles em 2012. Quem afirma é o cientista político Antonio Queiroz, diretor do Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar), que assessora a federação nacional (Fenajufe) na busca do apoio de partidos políticos à solicitação de que as propostas sejam remetidas direto para a votação no Plenário da Câmara.

Segundo Toninho, como é conhecido, esse é o único caminho legislativo capaz de levar à votação dos projetos na Câmara e no Senado a tempo da aplicação das propostas a partir de janeiro de 2013. Pelos tramites normais, com os projetos percorrendo três comissões nas duas casas, isso é inviável, avaliou. “Vai ser uma semana importante para a gente assegurar isso. O nosso argumento principal é que, no caso do Judiciário, se não se consegue votar [neste ano], não tem o recurso da medida provisória [que pode ser usado para setores do Executivo]”, explicou à reportagem, em entrevista por telefone.

Pressão sobre as lideranças partidárias

As lideranças de pelo menos seis partidos e dois blocos partidários assinaram os requerimentos para que os projetos (PL 4362/2012, do MPU, e PL 4363/2012, do Judiciário) tramitem em regime de urgência urgentíssima. São eles PMDB, PP, PSB, PDT, PCdoB e PRB, além dos blocos PR/PTdoB/PRP/PHS/PSL/PRTB/PTC e PV/PPS.

Faltam legendas de peso que podem ser decisivas para aprovar o requerimento de urgência no Plenário da Câmara: PT, PSDB, DEM e PSD, que, segundo o assessor, ficaram para serem procuradas após as eleições. “Se aprovar o requerimento no Plenário resolve rápido, não está sujeito a prazos. Nas comissões não tem como quebrar, tem que observar os prazos para emendas. Tendo acordo dos líderes, [o projeto] vai direto para o Plenário”, observou Antonio Queiroz. “Com os prazos das comissões não será possível aprovar até 2013”, alertou. É por conta disso que ganha relevância nesta semana a pressão sobre as lideranças partidárias, que tendem a definir nos próximos dias o que deverá ser levado à votação em Plenário até o final do ano.

Deputado apresentou parecer

O relator do PL 4363/2012, do Judiciário, que se encontra na Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara (Ctasp), apresentou seu parecer na segunda-feira (29). O relatório do deputado Roberto Policarpo (PT-DF) rejeita cinco das sete emendas apresentadas na comissão e faz duas adequações sugeridas pelo próprio Supremo Tribunal Federal, autor da proposta remetida ao Congresso – como a que altera a denominação do cargo dos oficiais para “Oficial de Justiça Avaliador Federal”. Não está descartada a possibilidade de o projeto entrar na pauta da sessão da Ctasp desta quarta-feira (31).

Não houve no texto modificação referente à retificação na proposta orçamentária enviada ao Ministério do Planejamento pelo presidente do STF, Carlos Ayres Britto – no relatório, a GAJ, que deixa de ser Gratificação de Atividade Judiciária e passa a se chamar Gratificação Judiciária, segue sendo elevada de 50% para 100% do vencimento básico, de forma escalonada em três parcelas.

Reunião no Planejamento

Na semana passada, ministro Ayres Britto cedeu ao governo Dilma Rousseff (PT) e excluiu a previsão de recursos que sairiam de saldos do orçamento do próprio Poder Judiciário. Com isso, a GAJ deixaria de atingir os 100%, ficando em 90%, e a primeira parcela do projeto, em janeiro próximo, não seria mais a maior das três previstas. Na sexta-feira (26), representantes do STF se reuniram com o secretário de Relações do Trabalho do Planejamento, Sérgio Mendonça, para tratar do assunto, mas ainda não se tem informações sobre o resultado.

Para o assessor parlamentar, a manutenção do impasse tende a retardar a aprovação do projeto. “Se não for superado, é uma dificuldade, os partidos da base [do governo] vão resistir, o ideal é que encontre uma solução antes da votação”, disse Toninho.

Organizar a mobilização

Haverá uma reunião da direção da federação nacional (Fenajufe) com representantes dos sindicatos filiados na quarta-feira (31), em Brasília – a federação mais uma vez não convocou reunião ampliada, quando os representantes da categoria, do Judiciário e MPU, são eleitos em assembleias de base.

Lideranças sindicais alertam para a necessidade de retomar as mobilizações. Dois alvos são centrais neste momento: forçar a tramitação dos projetos de forma rápida, a tempo de que eles entrem em vigor antes de janeiro próximo, e exigir do governo petista, dos parlamentares e do STF a aprovação da versão original das propostas, sem novos rebaixamentos.

Por Hélcio Duarte Filho
Luta Fenajufe Notícias
Terça-feira, 30 de outubro de 2012

Uma resposta para “​Só com ‘urgência’ projetos salariais podem ser aprovados este ano, diz assessoria”

  1. Liso disse:

    Black Friday- Liquidacao do Judiciario com Mastercard

    Elaborar sentença para o juiz assinar: R$ 6.500 (se for analista, pois trabalho com técnicos que fazem isso e ganham R$ 4.000 pois são graduados). Pilotar um Ford Fusion para levar sua Excelência o deputado ao Restaurante: R$ 10.500. Tirar xerox no Senado: R$ 13.800. Ver os sindicatos do judiciário não escreverem uma linha contra o governo: não tem preço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Rua Magalhães Filho 573, Centro Sul - Teresina - PI
CEP 64001-350 Fones/Fax (86) 3221 1645 / 3221 0273