Voltar para o início


 

Servidores do orçamento e planejamento ameaçam parar e avaliam deixar cargos de chefia

Elite do funcionalismo planeja paralisação no dia 18 para pressionar por reajuste

quarta-feira 5 janeiro 2022 às 10:35

 

Os servidores da área de planejamento e orçamento do governo federal decidiram em assembleia nesta segunda-feira (3) aderir ao indicativo de paralisação em janeiro como forma de pressionar o Palácio do Planalto a negociar um reajuste salarial. A data de paralisação, prevista para 18 de janeiro, foi divulgada em reunião na semana passada pelo Fonacate (Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado), do qual representantes da área de planejamento e orçamento fazem parte.


Segundo o presidente da Assecor (Associação Nacional dos Servidores da Carreira de Planejamento e Orçamento), Márcio Gimene, ainda será avaliada a possibilidade de que servidores entreguem cargos de chefia, mas sem que isso prejudique a gestão do Orçamento de 2022, que ainda precisa ser sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL).


Representantes da elite do funcionalismo se reuniram no fórum na semana passada e passaram a ameaçar o governo com a possibilidade de paralisações de um ou dois dias em janeiro e até mesmo uma greve geral, sem prazo para terminar, a partir de fevereiro. O movimento foi deflagrado após o lobby de policiais federais surtir efeito e as corporações garantirem recursos para aumentos salariais em 2022, com apoio de Bolsonaro.


A pressão do funcionalismo por reajuste tem aumentado nos últimos dias. O sindicato que representa os servidores do Banco Central (Sinal) também decidiu aderir ao indicativo de paralisação em janeiro e iniciou movimento de entrega de cargos de chefia na autarquia nesta segunda. Segundo a entidade, a autoridade monetária conta com cerca de 500 posições comissionadas. O movimento começou com a entrega de comissões na Receita Federal em dezembro.


O Sindifisco (sindicato da categoria) estima que 1.237 auditores em postos de chefia já abriram mão de cargos. A mobilização do funcionalismo foi desencadeada depois que o presidente Bolsonaro se empenhou e prometeu um reajuste para carreiras policiais. Apenas PF, PRF (Polícia Rodoviária Federal) e Depen (Departamento Penitenciário Nacional), além de agentes comunitários de saúde, obtiveram promessa de reajuste dentro do funcionalismo. O Orçamento prevê R$ 1,7 bilhão para o reajuste, mas não há no texto uma previsão de uso dessa verba exclusivamente para essas carreiras policiais. Após a reunião do Fonacate, a entidade ressaltou que a maioria dos servidores públicos federais está com o salário defasado em 27,2%, pois não há reajuste desde 2017.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Rua Magalhães Filho 573, Centro Sul - Teresina - PI
CEP 64001-350 Fones/Fax (86) 3221 1645 / 3221 0273